Fale conosco pelo WhatsApp

Técnicas de reprodução assistida

Imagem da chegada de espermatozoides em um óvulo

As técnicas de reprodução assistida são procedimentos realizados em laboratórios e clínicas especializadas em Reprodução Humana e envolvem a manipulação in vitro de espermatozoides, óvulos e/ou embriões de indivíduos com algum fator de infertilidade que não conseguem alcançar a gestação de forma espontânea.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que quase 50 milhões de casais no mundo apresentam problemas de fertilidade e recorrem às técnicas de reprodução assistida quando métodos terapêuticos não apresentam prognóstico satisfatório e a gestação por meio natural não ocorre.

O homem pode ser responsável pela infertilidade?

A infertilidade masculina, de acordo com a OMS, é responsável por 20 a 30% dos casos de infertilidade e contribuem parcialmente em 50% dos casos em geral. Na América Latina, 52% dos casos de infertilidade envolvem algum fator masculino. Para identificar as causas da dificuldade de concepção é essencial realizar exames detalhados e considerar a história clínica do paciente.

No caso dos homens, por exemplo, são diversas as causas que podem estar associadas com a dificuldade de engravidar. As principais são:

  • Varicocele: principal e mais frequente causa de infertilidade nos homens, a varicocele é a dilatação das veias escrotais. Promove a queda da quantidade e qualidade dos espermatozoides;
  • Alterações hormonais: a fertilidade está diretamente relacionada aos níveis adequados de hormônios e qualquer alteração, seja por doença ou uso de medicações podem comprometer o potencial fértil do homem;
  • Azoospermia: consiste na ausência de espermatozoides no sêmen e pode ser causada por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), obstrução dos ductos ejaculatórios, agenesia dos ductos deferentes, doenças genéticas, entre outros;
  • Câncer de testículo: pode comprometer a produção de espermatozoides e hormônios, causando infertilidade;
  • Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs): podem ser causadas por diversos microrganismos e além de causarem inflamação nos tecidos reprodutivos e adjacentes, liberam substâncias tóxicas;
  • Criptorquidia: é quando um ou os dois testículos não descem para o escroto, fazendo com que sua temperatura aumente, afetando a produção de espermatozoides.

Destaca-se ainda que a fertilidade masculina pode ser afetada negativamente por hábitos e estilos de vida, como estresse, obesidade, excesso de bebida alcoólica, tabagismo, uso de drogas ilícitas, sedentarismo, entre outros.

Qual o papel do Laboratório de Andrologia na reprodução assistida?

O homem que não consegue engravidar sua parceira deve ser analisado por um médico andrologista. Esse médico irá avaliar o histórico clínico completo do individuo e solicitará exames muito específicos que somente um Laboratório de Andrologia realiza. São eles:

  • Análise seminal completa;
  • Teste de fragmentação do DNA espermático;
  • Dosagem de radicais livres no sêmen e espermatozoides;
  • Atividade da enzima intracelular creatina quinase;
  • Mensuração da peroxidação lipídica seminal;
  • Avaliação da taxa da atividade mitocondrial espermática;
  • Teste de interação espermatozoide-oócito, como o hyaluronan binding assay;
  • Teste da reação acrossômica;
  • Outros exames complementares.

Esses testes auxiliam o médico a escolher o tratamento correto para que a capacidade fértil seja revertida e a gestação aconteça de forma natural. Caso não seja possível, o tratamento ajuda a melhorar a qualidade dos espermatozoides para que se utilize uma técnica da reprodução assistida menos complexa.

É importante dizer que diversos médicos podem solicitar ainda o processamento seminal para diagnóstico, com o objetivo de avaliar o comportamento dos espermatozoides durante o preparo para a reprodução assistida.

Quais técnicas de reprodução assistida podem ser recomendadas?

Atualmente, existem diversas técnicas de reprodução assistida e a recomendação de cada uma dependa do fator de infertilidade diagnosticado. As técnicas podem ser classificadas como de baixa complexidade ou de alta complexidade. As de baixa complexidade que são aquelas em que o espermatozoide e o oócito se encontram dentro do próprio trato reprodutor feminino. Já as de alta complexidade são aquelas onde o encontro dos gametas é realizado no laboratório.

Técnicas de baixa complexidade:

  • Coito programado: é uma técnica simples da reprodução assistida, que consiste em acompanhar e monitorar o ciclo menstrual da mulher para saber qual dia ela estará em seu período fértil e com maior chance de engravidar;
  • Inseminação intrauterina (IIU): nessa técnica, a mulher também é monitorada para saber o dia exato da ovulação. No dia certo, o sêmen é colhido pelo homem e entregue ao Laboratório de Andrologia, que irá processar a amostra, a fim de separar os espermatozoides com maior motilidade. Após, o médico introduzirá os espermatozoides na vagina, canal cervical ou útero. Para essa técnica, os espermatozoides precisam de uma boa motilidade.

Técnicas de alta complexidade:

  • Fertilização in vitro (FIV): nesta técnica, a mulher é estimulada com hormônios para que diversos folículos ovarianos amadureçam e um grande número seja coletado em um mesmo ciclo. No dia programado, a coleta dos oócitos é realizada em centro cirúrgico com a mulher sob anestesia. Em paralelo, o sêmen é processado pelo Laboratório de Andrologia para que se obtenha os melhores espermatozoides. Após, os oócitos e espermatozoides são colocados em uma placa e espera-se que haja fecundação e consequente formação de um embrião que será cultivado em laboratório e posteriormente transferido ao útero da mulher;
  • Injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI): o mesmo procedimento de estimulação hormonal é realizado para esta técnica e os espermatozoides também são processados em laboratório. A diferença é que o espermatozoide, com uma agulha específica, é diretamente injetado dentro do oócito.

Devido a especificidade das técnicas de reprodução assistida e de cada caso de infertilidade, apenas um médico especialista em reprodução humana poderá fazer um diagnóstico apropriado e recomendar o tratamento mais adequado ao casal.